CASAS DA LAPA


O projecto pretende recriar o ambiente dos pátios/"vilas" de Lisboa que se formam por toda a extensão da cidade, com maior concentração nos bairros antigos. Por definição os pátios ou "vilas" são grupos de casas construídas em recintos que têm comunicação, directa ou indirecta, com a via pública. Tratam-se, portanto, de espaços à margem dos arruamentos, construídos muitas vezes no interior dos quarteirões. Organizam-se, em função de um espaço comum, de carácter privado, fora das vistas da rua, e que raramente atingem um elevado volume de construção.

Este conceito, e a memória da ocupação existente, conduziram a uma proposta de implantação em que as casas se agrupam à volta do terreno, ocupando todo o seu perímetro, com acesso através de um espaço central desafogado.

Esse espaço central será um jardim densamente arborizado, onde se encontrarão as zonas comuns e a piscina. De modo a reforçar esta relação de exterior/interior, todas as casas terão também jardins privativos e/ou terraços.

Propõe-se abrir este espaço de interior de quarteirão ao resto da cidade, estabelecendo relações de atravessamento, promovendo percursos pedonais, escadinhas, que ligarão as ruas principais a sul e a norte. Estes percursos das escadinhas, permitirão também modelar a encosta, minimizando os declives e criando novas perspectivas.

Pretende-se recriar, desta forma, aquilo que é característico desta malha urbana, onde as ruelas se transformam em escadinhas, onde atrás dos muros se adivinham jardins suspensos, e as vistas surpreendem, em enfiamentos inesperados.

Da pesquisa formal resultou uma imagem arquitectónica caracterizada pela modelação das fachadas - em avanços e recuos diversos criados pelos pátios, terraços e pérgolas - e por uma fragmentação da construção, que permitem relações de escala associadas à ideia de "casas".

Aproveitando o património da antiga Fábrica de Cerâmica, os percursos exteriores darão lugar à composição de alguns painéis de azulejos. Estes azulejos armazenados servirão também de revestimento de elementos construídos no exterior, bem como, de alguns espaços interiores.

Apesar da intervenção procurar criar uma forte relação com a história e ambiente da zona onde se insere, a caracterização formal, aplicação dos materiais e respectivos detalhes, serão claramente contemporâneos.

Dados tecnicos:.
projecto: arquitectura

Localização: Lisboa

Datas: 2008 - Projecto em curso

Arquitectura: Ana Monteiro da Costa

Colaboradores: Andreia Lima,
Catarina Cabral, Hugo Ferreira,
Maria Carvalho, Mafalda Lacerda,
Matilde Archer, Sara Brandão,
Vítor Quaresma

arranjos exteriores: FIC arquitetura Paisagista.

Estruturas: Dimstrut

Instalação Têrmica: Get
Instalação Eletrica: OHM
Instalação de águas e esgotos: Ductos

Cliente: Imoconvento

3D: 18:25 Empreiteiros Digitais

The project aims to recreate the patio/ ''vilas'' of Lisbon scattered throughout the city, especially in the older neighbourhoods. By definition the patios or "vilas" are groups of houses built in enclosed areas which are linked directly or indirectly to a public thoroughfare. They are spaces to one side of a small street, often built within a tenement block. They function as a common space, private in character, not visible from the street, and rarely include large amounts of construction.

This concept, and the history of the existing occupation, led to a building proposal for houses grouped around a piece of land, occupying the whole perimeter, with access via a central and open space.

This central space would be a garden full of trees, with common areas and a swimming pool. As a way of reinforcing this exterior/interior relationship, all houses would also have private gardens or terraces.

The proposal was to open this interior tenement space to the rest of the city, encouraging casual meetings, with pedestrian footpaths and flights of steps linking the main streets to the north and south. Having flights of steps would also be a way of remaking the slopes, minimizing gradients and creating new viewpoints.

The idea was to recreate the character of this urban fabric, with alleyways turning into flights of steps, hanging gardens behind high walls and sudden views seen through unexpected openings.
From the initial research came an architectural concept based on remodelling the façades, which would variously jut out or retreat according to the arrangement of patios, terraces and pergolas. This would lead to a fragmented effect allowing for relationships of scale associated with the idea of "houses".

Taking advantage of the valuable tiles of the old Ceramic Factory, the exterior walls will be decorated with tiled panels. These tiles would also serve to cover over newly-built elements, as well as some interior spaces.

Although the project sought to create a strong relationship with the past and the character of the local area, its overall character, use of materials and accompanying details were clearly contemporary in flavour.