Rua Ivens

Na continuidade do processo de requalificação do Chiado colocado em marcha após o incêndio de 1988 este projecto de habitação contribui para a consolidação da recuperação funcional, imagética e simbólica desta zona da cidade.

O projecto teve por base um conjunto de edificações pombalinas adulteradas e descaracterizadas, com acrescentos feitos em épocas distintas.

A situação topográfica desta parcela e, a vários títulos, singular. Faz a fronteira entre a Baixa e o Chiado, estabelecendo a transição entre situações urbanas com níveis altimétricos muito diferentes e com características bem distintas.

O edifício principal com frente para a Rua Ivens tem, como resultado da tipografia característica desta área da cidade, uma segunda frente exposta à  Baixa e à  colina do Castelo, beneficiando os fogos abaixo da cota da Rua Ivens de um extenso terraço. Implantado sob este terraço um segundo edifício, com frente para o Largo da Boa-Hora nasce de uma fachada falsa, um muro de suporte, que foi mantida e adaptada para que por aqui seja feito o acesso ao estacionamento.

A intenção deste projecto que a articulação entre o existente e a nova construção seja estabelecida sem enfatizar os contrastes.

Assim, no desenho da fachada do edifício da Rua Ivens, resultante da junção de dois edifícios contíguos, retomam-se os princípios pombalinos de ritmos e proporções, eliminando-se as diversas intervenções espúrias. Com diferente materialização estes mesmos princípios foram transpostos para o desenho da nova fachada posterior.

Destacava-se pela sua singularidade a escada principal de um dos edifícios da Rua Ivens - de planta quadrangular esta é uma situação invulgar na arquitectura pombalina. O levantamento exaustivo deste elemento permitiu que, apesar da demolição integral dos interiores, fosse possível que estas escadas fossem reposicionadas de um modo mais favorável ao desenho das tipologias e replicados e recolocados os diferentes elementos que as caracterizam, painéis de azulejos e cantarias.

Ao mesmo tempo que o desenho dos interiores e infra-estruturas respondem às exigências actuais procurou-se, no desenho do detalhe, manter características e princípios da construção inicial.

Dados técnicos:.
arquitectura
Lisboa
2001 - 2013
Ana Costa, Vasco Mendia, Sérgio Spencer, Ana Moreira, Mafalda Lacerda

ARQUITECTURA: Ana Costa - Arquitectura e Design Lda com Mendia+Spencer Arquitectura

CLIENT: ESPROPERTY - Espírito Santo Property, S.A

PHOTOGRAPHS : FG + SG

Rua Ivens